domingo, 4 de março de 2018

12 curiosidades sobre o namoro mórmon


O namoro é uma das fases mais emocionantes da vida para, pelo menos, a maioria das pessoas no mundo, independentemente de sua cultura ou credo. Para os membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias – também conhecidos como mórmons ou SUD – é um período muito importante da vida, pois pode definir não apenas seu futuro, mas toda a sua eternidade.

O namoro mórmon possui alguns padrões e peculiaridades únicos. Confira 12 entre eles:

1. Os jovens mórmons são aconselhados a namorar apenas depois dos 16 anos

Um namoro precoce pode privar os jovens de experiências importantes na adolescência, também pode privá-los de conhecer outros jovens e fazer amizades que podem levá-los a, no futuro, escolherem com maturidade seus companheiros eternos.

Iniciar um namoro cedo demais também pode levar os jovens a cometerem erros que afetam a sua dignidade e o seu futuro. Por essas razões, os jovens são incentivados a não namorarem antes dos 16 anos.

2. Eles são incentivados a namorar alguém com quem já tenham amizade

Eles sabem como seus amigos se comportam, como tratam as coisas espirituais e outros compromissos. Portanto, têm mais informações para fazer uma escolha.

Se houver interesse por alguém que não seja de seu círculo de amizade, o ideal é tornarem-se amigos e se conhecerem melhor antes de iniciarem um namoro. De amizades salutares surgem os melhores relacionamentos.

Isso pode soar antiquado ou restritivo, mas é apenas uma proteção para as pessoas. Todo mundo, não importando a idade, credo ou cultura, deveria namorar e se casar apenas com alguém que conhecesse bem.  Muitos infortúnios seriam evitados se isso acontecesse.

3. Os mórmons são desaconselhados a “ficar”

Os pais ou líderes não ficam monitorando os jovens, apenas dão-lhes conselhos e orientações para que tomem decisões sábias e não façam nada que destrua a beleza e o romantismo dos relacionamentos.

O beijo é importante e, de certa forma, sagrado para um membro fiel da Igreja. Portanto, não deve ser tratado com leviandade. Ou seja, o jovem não deve ficar beijando uma pessoa diferente toda semana, ou beijando apenas por beijar. Devem guardar seus beijos para uma pessoa especial.

Beijos ardentes e agarramentos não são apropriados durante o namoro, pois podem levar à intimidade sexual.

4. Os mórmons não fazem sexo antes do casamento

Os membros da Igreja vivem a Lei da Castidade. Isto é, eles só têm intimidade sexual com quem são legal e legitimamente casados. Assim sendo, eles não devem ter relações sexuais antes do casamento e nem fora do casamento, caso sejam casados.

Enquanto são solteiros, eles também não devem estimular sexualmente outras pessoas, seja por toque, por palavras ou outros meios, mesmo que acabe não resultando no sexo propriamente dito. Eles acreditam que seus corpos são sagrados e que certas emoções, que são dádivas divinas, devem ser reservadas para o casamento.

5. Os mórmons só namoram para casar

As pessoas de fora podem estranhar, principalmente porque a maioria das pessoas só quer “aproveitar a vida ao máximo” antes de firmar compromisso com alguém. Mas o propósito do namoro mórmon é levar ao casamento.

No entanto, isso não significa que a pessoa tenha que se casar com o primeiro que namorar. O período do namoro é também um período para se conhecerem melhor. É nessa fase de convivência que o casal passa a conhecer de perto as qualidades e imperfeições um do outro.

Durante o namoro, é fundamental que ambos abram bem os olhos para identificar os pontos negativos tanto no relacionamento quanto no comportamento do outro (e no próprio comportamento, é claro!).

Questões como incompatibilidade de gênios ou comportamentos suspeitos podem ser identificados nesse período. Se a pessoa perceber que o relacionamento poderá lhe trazer problemas futuros, esse é o melhor momento para terminar o namoro.

Muitos casamentos terminam em divórcio porque as pessoas ignoram esse conselho, não dão a devida importância a alguns sinais preocupantes que despontam durante o namoro. Portanto, é preferível terminar o namoro, ou até mesmo o noivado às vésperas do casamento, a ter de enfrentar um divórcio mais adiante.

6. Não existe “alma gêmea” para os mórmons

Muitas pessoas se enquadrariam no quesito “pessoa certa” para os solteiros da Igreja. O que define se a pessoa escolhida é certa para um membro fiel é a compatibilidade e a presença de características capazes de fazer um relacionamento durar.

Então, antes de assumir um relacionamento sério ou levar o namoro adiante, é preciso se perguntar:

Ele(a) é fiel na Igreja? Cumpre seus chamados, está disposto a servir, cumpre os mandamentos? Honra o Sacerdócio?
Ele(a) me trata com respeito? Respeita meu corpo e nossos valores? É fiel, leal, amigo(a), companheiro(a)?
Eu me sinto em paz quando estou ao seu lado?
Sinto-me atraído(a) por ele(a)?
Encontro motivos para admirá-lo(a)? Eu poderia listar rapidamente várias qualidades suas?
Ele(a) tem desejo de continuar progredindo espiritual, material e intelectualmente?
Ele(a) é paciente, manso(a), tolerante, pacífico(a), humilde?

Algumas questões podem variar de uma pessoa para outra.

7. Os mórmons pedem o aval de Deus para a escolha que fizeram

Os mórmons não colocam nas costas de Deus a responsabilidade de escolher alguém para namorar ou se casar. Então, em vez dizerem “Senhor, mostre-me em sonho ou visão com quem devo namorar /casar!”, eles fazem a sua escolha, levando em consideração o ponto anterior, e apresentam-na ao Senhor, pedindo o Seu aval. Se for uma boa escolha, eles se sentirão tranquilos. Caso contrário, o Senhor os fará se sentirem inquietos ou angustiados. Esse é o padrão usado para todas as escolhas que os membros fazem.

8. Os mórmons não namoram por tempo prolongado 

Não foi estipulado nenhum tempo máximo de namoro, mas, como a finalidade é o casamento, se os dois se gostam, já se conhecem o suficiente e sentem que fizeram uma boa escolha, nada os impede de começarem os preparativos para o casamento.

9. Os mórmons acreditam em casamento eterno

A fase de namoro é tão importante para os SUD porque pode definir não apenas o tipo de casamento que eles terão, mas o seu destino eterno.

Os casamentos celebrados pelos mórmons não são “até que a morte os separe”, mas “por todo o tempo e a eternidade”. Eles acreditam que os laços familiares (marido e mulher, pais e filhos, avós e netos, etc.) podem perdurar por toda a eternidade, desde que as pessoas da família vivam dignamente, façam convênios e os honrem durante toda a vida.

Os casamentos mórmons são realizados em lugares especiais na terra chamados Templos e recebem o nome de “selamento” ou “casamento celestial”.

10. Os mórmons fiéis desejam namorar apenas outros membros fiéis

Como apenas os membros fiéis da igreja podem se casar nos Templos – e eles passam por uma entrevista de dignidade para poderem entrar nesses locais sagrados – ele vão querer namorar apenas alguém que tenha a meta de se preparar para esse tipo de casamento.

Pode acontecer de um SUD fiel encontrar uma pessoa digna fora da Igreja. Neste caso, a sua pretensão certamente será trazê-la para a Igreja e oferecer-lhe o tipo de casamento à altura de seu inestimável valor e potencial, ou seja, um casamento eterno em um Templo sagrado.

Iniciar um relacionamento com alguém de fora da Igreja, no entanto, envolve riscos, pois nada garante que a pessoa vá se tornar membro um membro e o casal acabe se casando no Templo. Isso pode gerar muita frustração e desentendimento futuro.

11. E os conversos que não viveram esse padrão de namoro antes de se tornarem membros?

Centenas de milhares de pessoas se tornam membros da Igreja todos os anos e vêm, muitas vezes, de realidades bem diferentes. Muitas delas tinham padrões de namoro totalmente diferentes ou opostos aos ensinados pela Igreja. Mas, graças à Expiação de Jesus Cristo, elas puderam ser perdoadas de seus erros passados através do arrependimento, do batismo e do recebimento do Dom do Espírito Santo, e iniciaram uma nova jornada.

Todo solteiro converso, independentemente do estilo de vida que tinha antes, é incentivado a adotar os padrões elevados de namoro SUD ao se tornar membro da Igreja. Ele tornou-se limpo e puro perante Deus, e tem o privilégio de começar do zero.

12. E se um jovem da Igreja cometer transgressões sexuais?

Infelizmente, embora sejam ensinados e incentivados a levar uma vida reta e pura, alguns membros da Igreja acabam se permitindo ir muito além dos limites e acabam quebrando a lei da castidade. Para esses, a saída é abandonar seus erros o quanto antes e, com a ajuda dos pais e líderes, trilhar o caminho de volta por meio do processo de arrependimento. Ao colocarem a sua vida em ordem, eles poderão buscar um relacionamento puro e promissor, como qualquer outro membro.

Convém frisar que a atração física, embora importante, não é suficiente quando se trata de namoro sério e casamento. Os mórmons solteiros são incentivados a identificar a presença também de atração espiritual, emocional e intelectual. Quanto maior for o nível de compatibilidade entre os casais, maiores serão as chances de terem relacionamentos duradouros e felizes – o casamento eterno que tanto almejam.

Obs.: Sou apenas um membro de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Não falo em nome dela.

Nenhum comentário:

Postar um comentário